A consolação da filosofia - Boécio

by 21:39:00 0 comentários



Não quero fazer resenha. Reescrevo o trecho, deste belo livro, que mais me tocou:

“Que rédeas tem em suas mãos a Natureza Soberana,
Por que leis ela preserva,
Em sua sabedoria, a imensidão do mundo
E retém cada coisa por seus liames
Indestrutíveis: Eis o que decidi te mostrar
Num claro canto e com minhas tênues cordas.
Os leões cartagineses podem sempre estar presos
Por exuberantes correntes, comer diariamente
Das mãos do homem e temer, pelo hábito,
Receber seus golpes, ameaças de seu mestre;
Mas se o sangue vem tingir sua temível goela
Eles, antes tão passivos, retomam seu caráter
E em brados sonoros reencontram sua natureza.
Libertando-se e rompendo suas cadeias,
A primeira vítima de suas presas sanguinárias
E de seus arroubos furiosos será o próprio domador.
O pássaro que saltitava entre os galhos
No alto da árvore é pego numa gaiola;
Mesmo se bebidas adocicadas com mel
E farto alimento lhe são oferecidos
Pela mão amigável e traiçoeira do homem,
Ele vem saltitando em sua gaiola
E, ao ver a sombra deliciosa das árvores,
Dispersa com suas patas o alimento
E não cessa de chorar desejando os bosques
E de cantá-los com sua doce voz.
O caniço, submetido a uma forte pressão,
Curva até o solo a extremidade de sua ponta;
Mas se o braço que o curva faz menos força
Sua ponta leva-o diretamente para o céu.
Febo diariamente desaparece nas águas da Hespérida
Mas, por um secreto caminho, reconduz seu carro
Ao habitual ponto de partida.
Todas as coisas procuram buscar suas origens
E, ao reencontrá-las, contentam-se;
Elas não suportam um percurso durável
Senão aquele que liga o fim à origem

No processo de um ciclo inquebrantável.”

À esquerda o homem representa Boécio, esperando pela execução, quando em "sonho" surge a mulher segurando um livro em uma mão e na outra um cetro. Essa mulher é a Filosofia, que vem consolá-lo, iluminá-lo, libertá-lo. À direita, a Roda da Fortuna e a sua natureza de fazer subir o que está abaixo e de descer o que está acima.


Tiago André Vargas

Developer

Pesadelo de camaleão é que tem só uma cor.

0 comentários:

Postar um comentário