Boca cheia

by 22:10:00 1 comentários



Nesta noite
Ela não quis falar

Com o tecido do rosto inchado
Com suas vestes de linhas curtas
Com seus sonhos violados
Com seu manual de conduta

Ela escondia algo na boca estufada
Uma chave
Um apito
Miolo de pão
Tédio
Amor próprio

Ele não viu

Nesta noite
Toda noite
Sempre noite
Ele quis falar

Da maneira como se salva uma vida
As invisíveis pontilhadas linhas
Escabrosos esboços de término e partida
Seios, abacates, rodeios e alquimia

No rádio
Alguém grita
Tangerina
E a dor do tamanho de um ônibus estaciona no peito dela

Amanhã tinha feira
Algo deveria ser feito
Pulso e banheira
Sexo sorrateiro

Ele não sabia
Ela só sentia

Sua boca cheia de sonhos e sementes de melancia
Não queria falar
Seria feio cuspir o banal
Seria pecado proferir a fantasia
Ninguém salvou a vida de ninguém
Se pudesse, diria
Se pudesse, cuspiria e viveria
Nessa ordem
Só que hoje ela é jovem
Ninguém vive enquanto é jovem
Vive-se uma promessa do viver
A boca cheia
Horizontes
Sementes
Escárnio do tempo que não deixou de voltar

Nada há para ser dito essa noite

Tiago André Vargas


Imagem de Berk Öztürk.

Tiago André Vargas

Developer

Pesadelo de camaleão é que tem só uma cor.

Um comentário:

  1. Um poema exausto, de alguém que está cansado talvez da mesma conversa ou da mesma situação de vai-e-vem que nunca muda ou sai do lugar. Simplesmente d'alma, perfeito André, parabéns.

    ResponderExcluir