Encontro marcado

by 22:24:00 1 comentários




Joguei meus sapatos para cima e eles incendiaram ao tocar a liberdade de um céu sem nuvens. Azul sempre foi a cor do amor, sentimento aparafusado pela calmaria da água com a destreza de um avô consertando um brinquedo querido.
Mas nem toda água é azul. Eu sei disso por querer sentir como ontem.
Algum ontem.
Pés entremeados na terra lamacenta, sujeira reciclável, dedos sujos rasgados por vidros limpos. É necessário caminhar. Cheguei à margem do rio da minha vida. Contemplei-o da mesma forma que havia feito outras vezes. – Vezes. Qualquer número multiplicado por zero é igual a zero. Eu desenho o círculo perfeito. – Os mesmos tocos podres sendo carregados pela água turva, a mesma ausência de peixes, deferência e piano, o mesmo espelho lúgubre que delatava um monstro em tímido aproximar. Eu espiava sabendo o que seria revelado. – Sou uma morte perfeita.
Olhei no outro lado do rio e vi você.
Sua pele leitosa como um exército de margaridas pós holocausto me deu nojo. Sorri como um lobo e lhe disse que havia todas as respostas para suas perguntas ainda não formuladas no leito do rio, permitindo que pequenos silvos por entre meus dentes afiados escapassem elucidei que ter as respostas antes das perguntas era como colocar o dedo antes de surgir a ferida. E todo toque é bom quando não há dor. Você sorriu. Dois sextos do meu ser cogitou benquerer você, mas, não somos aquilo que queremos ser.
Saltaste na água com a força que eu desejava, projetei meu corpo logo em seguida.
Abri meus olhos e vi a sujidade dançar em líquido palco turvo, braços e pernas sempre tão errantes buscando algo, em nosso caso, profundo, pois somos feitos de lodo e não vamos parar até tocar o fundo.
E no fundo estamos amor.
Tudo é sujo e você é branca.
Tudo é barro mas você encanta.
Tuas vestes efêmeras são como pétalas que com dois dedos se arranca. Te hipnotizo sem olhar, puxo teu cabelo para trás, mastigo teu ombro no fundo do rio da sua vida.
E a cada segundo respirar menos importa.
Se entregue amor, sei como você gosta.
Abra sua boca e beba dessa água turva enquanto dança em meus braços. Vire-se para gozar dentro da minha íris, muito prazer, durante toda sua vida lhe esperei.
Sou sua morte sem encontro marcado lhe forçando o prazer de um último viver.
E tudo a água irá levar.
Menos eu.
Saio do rio sem estar molhado. Lá me aguardam novos calçados. É preciso caminhar e novamente assim o faço.
Sem olhar para trás, sequer para mim.
Um dia, você.

Tiago André Vargas
12.10.2013


Pintura de Andrew Wyeth.

Tiago André Vargas

Developer

Pesadelo de camaleão é que tem só uma cor.

Um comentário:

  1. Oi Tiago, ao ler seus textos fico perturbado, porque são muitos sentidos que afloram. Há frases que permanecem incógnitas, outras eu decifro, e no final resquícios de sentimentos e emoções. Um grande abraço ao amigo escritor que com talento tece as palavras e sensações!

    ResponderExcluir