Contínua continuidade

by 12:58:00 0 comentários


Era uma quinta-feira de céu fechado, havia uma massa cinza grudada no céu que trouxe a escuridão previamente, eram 3 horas da tarde mas aparentava ser mais... Será que chove?
A bela Ana Paula... Sempre a bela Ana Paula, rosto apoiado sobre a mão em volta do queixo e os olhos próximos do vidro da janela, quantas vezes essa bela mulher de pele descorada faria isso? Isso acabava comigo.
Aquela balzaquiana de cabelo negro pensava... E como gostava de pensar! Pensava tanto que o filósofo do povo lhe diria que isso lhe fazia mal, maldito seja. Observava as gotas de chuva caírem sobre o vidro da janela em fronte ao seu rosto, observava que uma delas ali ficava, andava um pouco e então, outra vinha e a empurrava para frente, sempre no mesmo caminho, sempre uma linha contínua.
Isso lhe fez pensar na vida. Isso lhe fez pensar que quando caímos no vidro começamos a traçar um caminho e nele seguimos. Às vezes queremos parar mas algo nos move para frente, no mesmo caminho. Por que o mesmo caminho?
A vida é início e fim. Tudo nela é o meio termo, a linha que liga os pontos. Aparentemente precisa ser lógica e coerente como uma reta, sensata como um currículo que demonstra o quanto capacitado somos para um emprego, o quanto responsáveis somos para o trabalho, o quanto vegetais somos para o mundo. Previsíveis, contínuos. Por que é desta forma? Talvez pelo simples fato de ser fácil controlar aquilo que não oferece surpresa e assim o sistema se molda e nenhum ato se torna isolado, nos tornamos escravos das ações passadas e escrevemos o futuro sobre um livro de páginas marcadas. Prefere-se a infelicidade do que a falta da continuidade. Aceita-se aquele que ergue muros de racionalidade e é infeliz por dentro, trilhando um caminho que julga ser seu e aceitando a incumbência da infelicidade, inclusive este indivíduo é aceito com méritos enquanto aquele que muda de vida e corre riscos por motivos seus (busca de felicidade, nova percepção, etc.) é taxado de louco, ele é minoria e como se sabe para esta sempre é cabível um dedo apontado para o rosto.
          Ana Paula observou que uma das gotas presas no vidro não se movia. Nenhuma outra gota nela tocava para que continuasse o seu percurso, logo, um vento forte manifestou-se sacolejando a janela e fazendo com que a mesma mudasse o percurso, desprendeu-se do vidro e voou rumo ao desconhecido. Ana Paula sorriu. Por algum motivo pensou que aquela gota seria mais feliz. Por algum motivo.

Autoria de Tiago André Vargas


Foto encontrada aqui.

Tiago André Vargas

Developer

Pesadelo de camaleão é que tem só uma cor.

0 comentários:

Postar um comentário