Sóbrio

by 12:56:00 0 comentários

A festa acabou. A música parou subitamente e uma abelha se alojou em nossos cérebros provocando um eterno zumbido envolto de silêncio. Nossas entranhas cheiram nicotina. Caminhamos sobre um barco em leve movimento, errantes pelo amor à tequila. E tudo faz sentido. Completo sentido, como um débil que paira sua mente em algum plano mórbido e desiste de pensar. Puxa a tomada. A boca aberta e o sorriso arqueado olhando para o nada... Ver graça de desenhos animados que passam sem som. E tudo faz sentido.
Então tentamos conversar, tentamos dançar, desistimos de tudo e vamos para qualquer lugar fora desse barco. Minha casa ou a sua? Não sabia que você tinha uma tatuagem. Tudo fica tão quente, tão lascivo e tudo faz tanto sentido! Mas a água gélida não tarda a bater no corpo quase morno para afogar-mo-nos em lacônica alegria.
Então comete-se o irreversível pecado de fechar os olhos, uma noite bem dormida sem sonhos... E a escuridão acabou. O dia chegou. Você abre as pálpebras com relativo esforço e nada mais faz sentido.
Você fez isso?
Não era eu. Não éramos nós. Eram apenas gravações de estúdio para um filme futuro que estará em cartaz nas nossas mentes enquanto apontamos para todas as insanidades com ar saudosista. “Se lembra de quando...” Como o passado é belo no futuro.
O presente não passa de um uma refeição gordurosa lutando para sair do nosso corpo.

Autoria de Tiago André Vargas

Foto encontrada aqui.

Tiago André Vargas

Developer

Pesadelo de camaleão é que tem só uma cor.

0 comentários:

Postar um comentário