Nu não há eternidade

by 10:35:00 0 comentários





O cinzeiro virado
No ar a folha muda
Meu colo desvairado
Incutindo nuvens intrusas

O que eu ofereço?

O céu é puro rescaldo
Ao sul
Com ou sem paraíso
Concreto comprimido
Migro
Mínguo
Ponha um terno e fale do infinito

Homem qualquer em traje ataviado
Oferece febre terçã em troca do salário

Fácil

Como pequenos seres do mar escorrendo no findar da onda pela areia

Mostre-me um homem nu
Oferecendo suas pernas
Dentes
Seu ódio
Desespero
Seu amor mais nobre aflorado nas violetas úmidas da madrugada
Mostre-me um homem através dele
Sem simbologia
Representação
Hemorragia
Ou redenção

Mostre-me um homem

Sincero e só

Só existe beleza na realidade ou na fantasia despretensiosa de credulidade



Tiago André Vargas


Imagem de Luiz Felipe Tavares 

Tiago André Vargas

Developer

Pesadelo de camaleão é que tem só uma cor.

0 comentários:

Postar um comentário