O isqueiro está na terceira gaveta

by 20:46:00 0 comentários


Eu me lembro da luz
Flâmula
Da grandeza da miúda vela no teu pequeno apartamento
Da fumaça que morria nos teus cabelos
Devagar
Como um navio fantasma
Engolfando a proa no peso da noite

Eu me lembro
Do meu nariz
Grande e atarantado
Procurando tua raiz
Teu fumo e teu sumo
Chafurdado na nuca telúrica
O arpéu da narina preso ao brio
De um brinco que você não tirou
Naufragando
O que tua boca não separou
De mim

Eu não me lembro
Do poema
Que inscrevi
Nas tuas costas
Mas me lembro
Da tua aflição
Por não conseguir lê-lo
E me lembro do ferrão da abelha
Que fecundou o teu lábio superior
Enquanto você falava que estávamos em dezembro
Enquanto você falava que seus braços eram flexíveis
Enquanto você sonhava sobre mim
Como se estendesse um cobertor sobre uma cama bagunçada
Que não precisa ajeitar
Só precisa ser quente

23.12.2015
Tiago André Vargas

Fotografia de Tiago André Vargas


Tiago André Vargas

Developer

Pesadelo de camaleão é que tem só uma cor.

0 comentários:

Postar um comentário