Belo som despedaçado

by 20:35:00 0 comentários

Eu tenho dedos
Nem sempre uma alma
Mas geralmente, dedos
E eu gosto de tocar você
Polegar e saboneteiras
As pontas em arrasto
Minha larga mão como arado a entrar pelas raízes do teu cabelo
Gerando lábios escuros
Olhos férteis
Levedando uma alma
Mas não a minha
Esta se pendurou em algum cabide enquanto trocava de roupa
Mas você tem uma alma
Eu sei disso através dos eternos mesmos pares
De lábios
De olhos
Tão diferentes dos meus
Abissais
Meus pares são outonais
Nosso assemelho limita-se aos dedos
Somente porque você os tem
Talvez também possas me apertar
Sou seco e caibo na tua mão
Sou folha seca que nunca foi ao chão
Apenas desejo te mostrar o único belo som que faço
Quando enfiado entre teus dedos me findo despedaçado

Quem nasceu?


Autoria de Tiago André Vargas
Fotografia de Ren Hui Yoong.

Tiago André Vargas

Developer

Pesadelo de camaleão é que tem só uma cor.

0 comentários:

Postar um comentário