Os cantos de Maldoror - Lautréamont

by 11:48:00 0 comentários


Lautréamont é pseudônimo de Isidore Ducasse, uruguaio nascido em 1846 que ainda na infância mudou-se para a França. Morreu aos 24 anos, de causas desconhecidas. Escreveu dois livros. O primeiro: Os Cantos de Maldoror, assinando-o com o heterônimo de Lautréamont, obra que tem como objetivo (explícito pelo personagem) elevá-lo a condição de maior, e inclusive pior, algoz da humanidade. Para tanto conta de maneira soberba crimes e barbáries que praticou, sonhou, desejou, inventou, nos envolvendo na sua maldade até confessarmos em silêncio a nossa, como uma grande aranha lírica surrealista tecendo com evasão um pesadelo agridoce.


O segundo e último livro, assinado por Isidore (seu verdadeiro nome) é antagônico à obra antecessora, pois neste, enaltece a grandeza e honradez do homem, defendendo com fanatismo que o papel da literatura é engrandecer e forjar a moral pura, bondosa, até mesmo religiosa, na humanidade. O transgressor se transforma em reacionário, fato curioso, que algumas suposições tentam explicar: O autor faz um jogo proposital de escárnio sobre a literatura; o autor enaltece os pontos do seu primeiro livro através de um processo de contradição: como se a escuridão inicial ficasse mais aguçada depois da ineficiente tentativa de jogar uma luz ingênua sobre ela, teoria interessante essa, já que no primeiro livro Lautréamont faz apologia a contradição do espírito; uma verdadeira mudança de credo, e assim, a necessidade de desvincular a maldade da sua persona artística de si mesmo; a suposta loucura que o autor se encontrava, que poderia inclusive ter lhe levado a morte precoce. OBS: Neste pequeno segundo livro Isidore critica de maneira veemente os autores que Lautréamont cortejou, dentre eles, Byron e Baudelaire.


Abaixo a transcrição de um trecho do livro Os cantos de Maldoror, de Lautréamont (tradução de Claudio Willer, Editora Iluminuras). Especificamente: Primeiros Cantos, canto número 5.

Eu vi, durante toda a minha vida, sem excetuar um só, os homens de ombros estreitos praticarem atos estúpidos e numerosos, embrutecerem seus semelhantes, enfiarem o dinheiro dos outros no bolso, e perverterem as almas por todos os meios. Assim chamam eles o motivo de suas ações: glória. Vendo esses espetáculos, eu quis rir como os outros; mas isso, estranha imitação, era impossível. Peguei um canivete cuja lâmina tinha um gume afiado, e rasguei minhas carnes nos lugares onde se reúnem os lábios. Por um instante, acreditei haver alcançado meu objetivo. Examinei em um espelho essa boca ferida por minha própria vontade! Havia sido um erro! O sangue, que corria em abundância dos dois ferimentos, não permitia distinguir, aliás, se esse era verdadeiramente o riso dos outros. Mas, após alguns instantes de comparação, vi muito bem que meu riso não se assemelhava ao dos humanos, ou seja, eu não ria. Eu vi os homens, de cabeça feia e olhos terríveis enfiados na órbita obscura, ultrapassarem a dureza da rocha, a rigidez do aço fundido, a crueldade do tubarão, a insolência da juventude, o furor insensato dos criminosos, as traições do hipócrita, os mais extraordinários atores, a força de caráter dos padres, e os seres os mais fechados por fora, os mais frios dos mundos e do céu; cansarem os moralistas na tentativa de descobrir o seu coração, e fazerem recair sobre si a cólera implacável do alto. Eu os vi a todos, ora o punho o mais robusto dirigido na direção do céu, como aquele de uma criança já pervertida contra a sua mãe, provavelmente excitados por algum espírito do inferno, os olhos possuídos por um remorso ardente e ao mesmo tempo enfurecido, em um silêncio glacial, não ousarem emitir as meditações vastas e ingratas encerradas em seus corações, a tal ponto estavam cheias de injustiças e de horror, e entristecerem de compaixão o Deus da misericórdia; ora, a cada momento do dia, desde o início da infância até o fim da velhice, distribuírem anátemas incríveis, que não tinham o sentido comum, contra tudo o que respira, contra eles mesmos e contra a Providência, a prostituírem as mulheres e as crianças, e assim desonrarem as partes do corpo consagradas ao pudor. Então, os mares sublevam as suas águas, engolem as tábuas em seus abismos; os furacões, os terremotos viram as casas pelo avesso; as pestes, as doenças diversas dizimam as famílias suplicantes. Mas os homens não prestam atenção. Eu os vi também enrubescerem, empalidecerem de vergonha por seu comportamento sobre esta terra; raramente. Tempestades, irmãs dos furacões; firmamento azulado, cuja beleza não admito; mar hipócrita, imagem do meu coração; terra, com o seio misterioso; habitantes das esferas; universo inteiro; Deus, que o criasse com magnificência, é a ti que invoco: mostra-me um homem que seja bom!… Mas que tua graça decuplique minhas forças naturais; pois, diante do espetáculo desse monstro, posso morrer de espanto: morre-se por menos. O que foi que eu disse contra os homens? Quem sou eu para recriminá-los por alguma coisa? Sou mais cruel que eles.

27.08.2015

Os cantos de Maldoror - Jacques Houplain (1947)


Tiago André Vargas

Developer

Pesadelo de camaleão é que tem só uma cor.

0 comentários:

Postar um comentário