Deixe a noite vencer

by 22:11:00 0 comentários
Ó transfiguradas criaturas diurnas
Que melhor produzem iluminadas
Suas peles de nímia acupuntura
Coloridas inofensivas granadas

Não gastem seus sóis com fluorescentes
Não abracem índoles amputadas 
Fora do círculo reincidente
Amarelinha no céu da calçada

Corra, transpire, enfarte
Conceba-se como legítima criatura humana
Rasgue o encarte
O melhor pro final nada adianta

Se você ama a juíza estupre-a de forma delicada
Não pratique halterofilismo com desprestígio
Conceda no alinhado peito amor de escrava
Quebre seus saltos com inocente carinho

Pois somos criaturas noturnas
Os olhos brilham diante tudo que não podemos ver
Flutuantes almas infecundas
Perfumes caros jogados em emboço de ser

Atravessamos noites impávidas
Como balas estilhaçam vidros
Carregando prenhes pálpebras
Pesadas de sonhos tão vivos

Desta forma o mundo goza na coxilha
Depois da labuta o sonho dos justos
Mas nós fizemos uma troca descomedida
Resignamos a noite por simples absurdo

E somente sorumbáticos
Pasmos e esbranquiçados
Desmaiando sobre uma mesa de demência
Aceitaremos nossa vital abstinência

É preciso deixar a noite te vencer
Todo sol que irrompe te derruba
Já estar caído quando ele nascer
Aceitar eterna próxima luta

Pois em contrapartida sempre existe uma lua
Bela e serena de olhos esverdeados
Vendo em nosso coração que algo se tatua
Para que o inesquecível sempre seja lembrado

E a noite não mais existe
Os dias não mais se dividem
Impera um doce e real conhecer
Que o propósito é o próprio vencer

Tiago André Vargas
01.03.2012
Fotografia de solsikke.

Tiago André Vargas

Developer

Pesadelo de camaleão é que tem só uma cor.

0 comentários:

Postar um comentário